26 agosto 2014

ponto de interrogação


Quantas incógnitas surgem na minha mente por segundo? Quantas vezes eu me faço milhões de perguntas sem resposta? Quantos minutos eu passo ouvindo "asleep"? Quantas horas eu já perdi vendo o mesmo filme repetidas vezes? Quanta coisa eu aprendi vendo o mesmo filme varias vezes? Lendo os mesmos trechos por repetidas noites? Meus dedos estão tremendo agora. Você não pode ver. Não porque não está do meu lado, mas porque eles não estão literalmente tremendo. Acho que sou eu quem está tremendo. Meus pensamentos estão tremendo. Como quando você treme na hora de tirar uma foto e ela sai toda borrada, mas em algumas partes a foto é nítida. Acho que no momento minha vida é uma foto completamente borrada, tremida. Como eu vou tirar essa foto outra vez? Quando? São tantas perguntas. Perguntas inúteis eu sei, mas eu sempre gostei de respostas. Eu contrariei respostas que não me agradavam. Criei as minhas próprias saídas para as perguntas. Como eu vou saber se estou certa? Tudo acaba em uma nova pergunta. Em mais um replay na musica. Em mais um "reproduzir" no filme. Em mais uma madrugada lendo o mesmo trecho. Procurando as mesmas respostas. São pontos de interrogação onde deveria ter um ponto final. Faz muito tempo que aprendi a pontuar meus textos. Que aprendi a fazer parágrafos. Mas eu não gosto de fazer parágrafos. Embora na vida, tenhamos muitos parágrafos depois de um ponto final. E um dia não terão mais parágrafos. Se a vida já deixa isso como regra, nos meus textos não sou obrigada a fazer. Eu já estou procurando respostas demais pra perder tempo organizando meus textos em parágrafos. Acabei de dar replay na musica, outra vez. Acabei de colocar um ponto final, agora uma virgula. Acho que a vida é separada por diversas virgulas, pontos finais, de exclamação e interrogação. Aliás, estamos sempre vivendo em um ponto de interrogação. Justo e bom seria, se todos os pontos da nossa vida fossem antecedidos por coisas boas. Que nenhum ponto final tivesse antes coisas tristes. Eu queria conseguir parar de replay na musica. A vida também pode ser uma musica. Que ficamos dando replay trocentas vezes e esquecemos de ouvir outra. Uma nova. A vida pode ser um filme, que assistimos tantas vezes a ponto de enjoar. Talvez o próximo filme seja chato. Mas como eu terei certeza? Mais um ponto de interrogação. Cansei deles. Acho que não estou mais tremendo. Mas eu continuo procurando respostas para frases que deveriam terminar com um ponto final.

23 agosto 2014

Viva a Sociedade Alternativa



Hey povo! Faz um tempo que eu propriamente dita não posto aqui, mas eu estava procurando um assunto legal pra escrever. Vou contar como a ideia veio: Eu estava esperando a hora de ir pro inglês e comecei a passar os canais na TV, e em um dos telecines (não lembro qual gente amnjsikamjs) tava passando a propaganda de um filme que eu também não lembro qual, mas era nacional. (era o filme de um livro do Paulo Coelho se não me engano, não tenho certeza) E estava tocando Sociedade Alternativa, do Raul Seixas na propaganda. Ai eu pensei, "opa, vou ouvir depois". Então, eu estava aqui ouvindo a musica e comecei a pensar na época na qual o Raul Seixas viveu parte da carreira e tal. (aliás, dia 21 completaram 25 anos da morte dele <//3) 

Eu sou fascinada pela ditadura e por tudo que aconteceu na época, a forma de opressão, a censura e tudo mais. (planejando um post sobre). Como as pessoas fugiam e como depois conseguiram juntas vencer o regime militar com a força do povo. Ok, foco. Na ditadura, demonstrar sua opinião era proibido e gerava tortura ou até mesmo morte caso ela fosse contra o regime. Existiam muitas musicas em forma de protesto ou até mesmo alerta pra população (ouçam Cálice ou Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores). Não existia liberdade de expressão. 

Hoje, além da liberdade de expressão temos uma imensa liberdade quanto a tudo. Nossas palavras, corpo, opiniões, gostos... Todo mundo tem direito a gostar do que bem entender. Se eu prefiro usar calça jeans e camiseta então isso é meu problema, e se você ama regata e saia, bom, isso é problema seu. Se eu gosto de rock bom pra mim, se você gosta de funk problema seu (não que eu goste porque né). Essa é a questão. Hoje em dia cada um tem o direito de ser quem é. E claro, não ser quem é sem ninguém olhando meio que tipo "quem é essa doida" mas ser quem é. 

As pessoas vão te julgar na rua. É óbvio. Se alguém passa por mim ouvindo música sem fone pode ser a musica que eu mais amo EU VOU TE ODIAR CARA. E isso acontece diariamente. Provavelmente alguém que não gosta de musica antiga brasileira quando me ve na rua com a minha blusa da Legião Urbana deve pensar "que otária". 

Mas a questão é que hoje nós temos liberdade nas nossas ações, nas coisas que fazemos. Somos livres. Eu posso criticar o governo, posso escrever poemas, eu posso.  Então, vamos aproveitar a liberdade que temos. Vamos aproveitar que podemos nos vestir como gostamos e vamos ser nós mesmos. Vamos aproveitar que podemos cantar, dançar, atuar, compor. Vamos aproveitar que nós podemos mudar o país, e podemos mudar o mundo. Nós somos livres pra isso. É só começar.

06 agosto 2014

5 on 5 August

No dia que eu postar o projeto no dia certo vocês podem desconfiar que eu fui amordaçada e não sou eu postando ok? Ok. Então povo, tem foto antiga que eu desenterrei porque eu estava vasculhando aqui (se eu não gostei das fotos que tirei e estava procurando outras pra postar no lugar? nãaao, magina) e eu queria postar e mostrar porque apaixonei. É isso, façam bom proveito, os links estão no final e eu vou falar um pouco sobre cada foto >.<


Essa foto eu tirei indo pra praia em fevereiro (eu disse que eram antigas) e ela ta tremida em com zoom mas eu fiquei apaixonada por ela. Com certeza o céu devia estar muito mais bonito que na foto, mas mesmo assim eu achei ela linda. 


Eu já tive toda minha parede coberta de recortes e coisas mas eu cansei tirei tudo e reorganizei. E esse é o meu canto predileto, Logan MEU marido e MEU amor, essa foto em preto e branco que era de propaganda de roupas e eu recortei (beijokas), o povo de Perks e enfim. Claro que saiu as outras imagens da parede mas essa parte vocês ignoram ok? Ok. 


Moral da foto: Não tem moral. Só acho essas fotos de aleatoriedades legais e resolvi fazer uma amnsjiakmjsa 


Agora vocês ignoram minha mão ok? ok. Ganhei esse colar dos meus pais e eu acho ele tão amorzinho gente kamjsikajsiajsia Queria mostrar.


Por fim outra foto antiga que eu também tirei na praia só que dessa vez voltando (sei por causa do sentido da rua hehehe). Sim, é um tunel de arvores, elas são todas curvadas formando um tunel, simples assim! Não sei explicar porque, mas eu acho tão lindo...

E aqui os blogs das outras meninas do projeto! Books On The Shelf (bibi), Butterbeer (Cece), e La Petit Vanila (haysa).

Kisses e eu estou preparando um post que (na minha opinião e pros meus gostos) está ficando muuito legal hehehe SURPRISE.